Arautos d'El-Rei | Independência de Portugal
769
post-template-default,single,single-post,postid-769,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive
Bandeira de D. Afonso Henriques

Independência de Portugal

 

Significado histórico do dia 5 de Outubro

Há 871 anos assinava-se em Zamora um tratado de paz pelo qual o Rei de Castela, Afonso VII, reconhecia na pessoa de D. Afonso Henriques, seu primo, o soberano de um novo Reino: Portugal. Com isso, deu-se um decisivo passo na caminhada de Portugal rumo à independência política face a Castela, uma situação que já vinha, pelo menos, desde 1128 e que o Tratado de Zamora veio confirmar. Podemos e devemos, por isso, considerar o dia 5 de Outubro como o dia em que Portugal nasceu como Reino e Estado autónomo.
Um reino que, de início, foi apenas reconhecido por Castela, mas que viria a obter o reconhecimento geral em 1179, através da Bula Manifestis Probatum, passada pelo Papa Alexandre III. Decorridos oitocentos e setenta e um anos, a Associação Monárquica Arautos d’El-Rei faz questão de evocar a data e a efeméride, associando-se às comemorações da Nacionalidade e à evocação da memória de D. Afonso Henriques, na Missa mandada celebrar em Coimbra pela Real Associação dessa cidade, às 11h30 na Igreja de Santa Cruz, onde se encontra sepultado o Rei Fundador.



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close