Arautos d'El-Rei | Do Leste vem a esperança para a Europa
1504
post-template-default,single,single-post,postid-1504,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Do Leste vem a esperança para a Europa

O Grupo de Visegrado, formado pela Hungria, Polónia, República Checa e Eslovénia, constitui já uma sólida coligação que não está disposta a receber imigrantes muçulmanos, pois o que se pretende com eles é a islamização da Europa, destruindo-a por meio de uma guerra étnica e religiosa.

Durante os 50 anos de domínio comunista, o cristianismo foi perseguido nos países do Leste Europeu, mas agora é de lá que vêm as melhores e mais eficazes reacções à invasão islâmica da Europa.

Todo o antigo bloco do Leste está a seguir a mesma linha: Croácia, Bulgária, Estónia, Letónia, Lituânia, Roménia e até a pequena ilha de Malta.

Também agora a presidência rotativa da União Europeia está com o Chanceler Kurtz, da Áustria, assumindo uma posição claramente anti-invasão.

O caso mais destacado e bem sucedido ocorre na Itália, onde o ministro do Interior, Matteo Salvini, assumiu uma posição de firmeza, amplamente apoiada pelo seu povo, que colocou a “Lega Nord” (Liga Norte) como primeiro partido nas intenções de voto.

Na França está muito sólida a posição do “Rassamblement National”, de Marine Le Pen, e na Holanda a do “Partido da Liberdade”, de Geert Wilders. Na Dinamarca, até os sociais-democratas tomaram consciência do perigo, retirando-se do plano genocida das forças globalistas. Na Suécia e na Finlândia aumentam as expectativas de votos nos partidos “Democratas da Suécia” e “Verdadeiros Finlandeses”. Na Alemanha, o partido identitário AfD já é a terceira força no Bundestag e a segunda nas sondagens de voto. Até na anestesiada Espanha surge Santiago Abascal, líder do partido “Vox”, que propõe, sem complexos, a expulsão da praga islâmica para evitar mais atentados terroristas.

Em face deste avanço libertador, já estão em retrocesso as forças revolucionárias ao serviço dos programas genocidas. Merkel é um cadáver político e Macron está com os mais baixos índices de popularidade. O socialismo desaparece da Alemanha e da Itália. Partidos conservadores como o austríaco abandonaram o bando globalista e passaram-se para o soberanista.

O desafio para as eleições europeias está agora em conseguir que as forças anti-islâmicas alcancem a maioria absoluta no Parlamento Europeu. Neste contexto, é alentadora a proposta de Matteo Salvini para a formação de uma Liga defensora da civilização europeia.

Artigo publicado em “Periscopio – Blog contrarrevolucionario
A tradução do artigo e o seu título são da responsabilidade da nossa Redacção


Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close