Arautos d'El-Rei | Ceuta – A aventura pensada
863
post-template-default,single,single-post,postid-863,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive

Ceuta – A aventura pensada

Em 1385, Portugal, periférico e enfraquecido, ainda tinha de defender a sua independência nos campos de Aljubarrota.
Mas 30 anos depois, há exactamente seis séculos, foi possível construir – com armações e compras em segredo – uma armada de mais de 200 navios e 45 mil homens (os números variam, mas era enorme, se comparada, por exemplo, com os exércitos ingleses perfilados em Azincourt), e conquistar Ceuta [foto], uma das praças essenciais para o controlo do comércio entre o Atlântico e o Mediterrâneo.


Os 150 anos seguintes foram de expansão e apogeu. Tânger, Ksar Esseghir, Arzila, Graciosa, São João da Mamora, Azamor, Mazagão, Safi, Agoz, Mogador, S. Cruz do Cabo: algumas das praças-fortes conquistadas no Norte de África, que abriram caminho para o domínio dos mares, e para os avanços na direcção da Índia e Brasil.
Entretanto, Portugal desenvolvera as técnicas mais modernas do mundo. Era superior em cartografia, astronomia, geografia, matemáticas, geometria, comunicações, construção naval, artilharia, operações anfíbias, informações militares, engenharia, línguas, e tantos outros domínios.
E vencia armadas combinadas do Império otomano, dos sultanatos do Norte de África (incluindo o Egipto), do Médio Oriente e do subcontinente indiano, de Veneza e Ragusa (hoje Dubrovnik).
O esforçado exército de 1385, que derrotara a cavalaria castelhana e marcara o triunfo da guerra moderna contra o modo de combate feudal, não sabia o que vinha aí.
Mas veio.
Assim como, nos areais de Alcácer Kibir e em 1580, veio a queda depois da ascensão. E em 1640 a ressureição.
A vida dos povos não é uma linha recta.
Mas depende da sua rectidão e vontade.

Nuno Rogeiro, in Facebook, 21-8-2015



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close