Arautos d'El-Rei | Acordo Ortográfico: não existe obrigação de obediência
823
post-template-default,single,single-post,postid-823,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
Pára ou Para?

Acordo Ortográfico: não existe obrigação de obediência

No reparo de 16 de Abril abordei o tema da implementação do novo Acordo Ortográfico de 1990. Dada a enorme polémica que esta questão continua a suscitar, decidi retomar hoje este assunto.
Como certamente se aperceberam, foi amplamente noticiado que no dia 13 de Maio terminava o prazo de transição para a aplicação obrigatória do chamado Acordo Ortográfico.
Com efeito, segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros, 13 de Maio era a data que marcava o fim do referido prazo.
Ora, de acordo com a opinião do jurista Ivo Miguel Barroso, Assistente da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e presença assídua em vários fóruns e debates sobre o AO de 1990, não é exactamente assim. Segundo uma notícia publicada dia 9 de Maio pela Agência Lusa, Ivo Barroso discorda do referido prazo, afirmando, e passo a citar: “Já tive ocasião de escrever, por várias vezes, desde 2013, que o prazo de transição de seis anos (que é uma reserva ao Tratado do AO90) não pode começar a ser contado a partir da data do depósito, mas sim da data de publicação do depósito em Diário da República, pois é susceptível de afectar os cidadãos, e que o início do prazo de transição só sucedeu em 17 de Setembro de 2010”.

Num artigo jurídico publicado na revista “O Direito”, Ivo Barroso defende que o prazo de transição só termina em 22 de Setembro de 2016.
Ainda segundo a notícia da Lusa, o “jurista aponta ‘várias normas do Acordo Ortográfico de inconstitucionalidade material’, assim como as normas da Resolução do Conselho de Ministros nº 8/2011, que determinou a aplicação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa no sistema educativo português, no ano lectivo de 2011/2012”.
Ivo Barroso considera ainda que a “imposição total do AO90 em toda a sociedade civil seria inconstitucional a vários títulos, além de ser a expressão de um desígnio totalitário, incompatível com a democracia ocidental”. Ivo Barroso considera assim que não existe “obrigação de obediência, existe ao invés, o dever de desobediência por parte das entidades públicas” quanto ao uso da nova ortografia.
Para compreender melhor a enorme polémica em torno deste assunto, sugiro-lhe a leitura, no site do Público, do artigo “Pela não “aplicação” do “Acordo Ortográfico” de 1990 aos exames nacionais” onde o jurista afirma e cito: “Os Professores, os Correctores dos exames, não podem ser compelidos a “aplicar” normas manifestamente inconstitucionais”.
Continua a ser enorme o coro de protestos contra a aplicação do novo Acordo Ortográfico, abrangendo todo o espectro político-partidário e as mais diversas áreas socioprofissionais.
Exemplo disso são as palavras de Miguel Sousa Tavares a propósito do novo AO: “O Acordo Ortográfico foi negociado em segredo, foi introduzido à socapa como facto consumado, foi imposto à força contra a contestação geral e, finalmente, foi ratificado ilegalmente. Não só não resolveu nenhuma das coisas que supostamente queria resolver como praticamente agravou todas. Criou contradições e coisas verdadeiramente anedóticas. Nos documentos públicos, no ensino público e até na própria imprensa há partes do Acordo que são facultativas e outras que não são – a cacofonia é total e absoluta.”
A terminar, recordo-lhe que ontem, aproximadamente 90% dos telespectadores do programa Opinião Pública da SIC, quando questionados num inquérito se já tinham começado a escrever em conformidade com as novas regras responderam que não, o que demonstra bem a total falta de adesão da população portuguesa à imposição do novo Acordo Ortográfico.

José Filipe Sepúlveda da Fonseca

Crónica Semanal para a Rádio Universidade FM de Vila Real, 14-5-2015



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close