Arautos d'El-Rei | Santa Maria de África e a Conquista de Ceuta – 600 anos
849
post-template-default,single,single-post,postid-849,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive
Ceuta

Santa Maria de África e a Conquista de Ceuta – 600 anos

Decorre neste ano de 2015 o 600º aniversário da conquista de Ceuta (22 de Agosto de 1415). Foi uma das vitórias militares mais assinaláveis de El-Rei D. João I e dos Infantes seus filhos, D. Duarte, D. Pedro e D. Henrique. Apesar da avançada idade, também nela participou o Santo Condestável D. Nuno Álvares Pereira “que simbolizou e resumiu em si tudo quanto havia de nobre e puro na História Medieval”, conforme disse Mouzinho de Albuquerque.
Com esta ousada e vitoriosa acção militar em Marrocos, impregnada do espírito de Cruzada contra o Islão, iniciou o Portugal a epopeia dos Descobrimentos que o levou aos quatro cantos do Mundo e que lhe abriu o caminho para chegar ao apogeu da glória.

A cidade de Ceuta (foto) já não é portuguesa, mas não se perdeu por ter sido abandonada ou retomada pelos Mouros, como sucedeu a outras que os portugueses conquistaram e mantiveram entre os séculos XV e XVIII. Pelo tratado de Lisboa, celebrado em 1668 entre Portugal e Espanha, a cidade foi cedida à coroa espanhola permanecendo até hoje um reduto cristão, com a sua Catedral e com o Santuário onde se encontra a histórica imagem da sua Padroeira, Santa Maria de África.

Santa Maria de ÁfricaEsta imagem (foto) foi enviada para Ceuta em 1421 pelo Infante D. Henrique, o Navegador, com a seguinte mensagem ao Capitão D. Pedro de Menezes: “Envio-vos esta imagem da qual sou muito devoto”. Enquanto a mão direita da Santíssima Virgem ampara a cabeça de Nosso Senhor morto, a mão esquerda segura o bastão ou Aleo com o qual D. Pedro de Menezes se apresentou diante de D. João I, voluntarizando-se para a espinhosa missão de manter a Praça sob o domínio português em pleno território sarraceno. «Senhor, este pau basta-me para defender Ceuta de todos os seus inimigos», disse D. Pedro a El-Rei que então o nomeou primeiro governador e capitão-geral da Cidade. Este acto tornou-se tão simbólico que o Aleo continuou a passar de mão em mão por todos os comandantes de Ceuta, com o mesmo juramento de a defenderem, tal como fez D. Pedro de Menezes.

Santa Maria de África, cuja festa se celebra a 5 de Agosto, foi proclamada Alcaide Perpétua de Ceuta no dia 5 de Março de 1654. Três séculos mais tarde, a 10 de Novembro de 1946, foi canonicamente coroada mas só em 1949 lhe foi reconhecido o título de Padroeira, outorgado pelo Papa Pio XII. A imagem encontra-se no Santuário do mesmo nome, erguido em sua honra no ano de 1676.

Desde que foi conquistada pelos portugueses e desde que passou para a coroa espanhola, nunca mais voltou Ceuta à posse dos muçulmanos. Graças à protecção da sua Padroeira, resistiu a todos os cercos e ataques, inclusivamente ao que os ingleses empreenderam em 1704, por mar e terra, com a mesma expedição que tomou Gibraltar à Espanha.



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close