Arautos d'El-Rei | “Sonho e mudança” pela via do homicídio…
815
post-template-default,single,single-post,postid-815,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive
Landau do Regicídio

“Sonho e mudança” pela via do homicídio…

Carta aberta ao Jornalista José Alberto Carvalho, da TVI

A notícia com a qual V. Exa. terminou o Jornal das 8 da passada quinta-feira, dia 21 de Maio, relativa à inauguração do edifício que, desde essa data, passa a funcionar como novo Museu Nacional dos Coches, está a suscitar as mais vivas reacções de indignação nas redes sociais.
Com efeito, optou V. Exa. por terminar o Jornal das 8 junto ao Landau Real (foto) em que seguiam, a 1 de Fevereiro de 1908, Sua Majestade El-Rei Dom Carlos I, a Rainha Dona Amélia, o Príncipe Real Dom Luís Filipe e o Infante Dom Manuel, os quais foram alvo de um cobarde atentado perpetrado por Manuel Buíça, no Terreiro do Paço.

Com esse acto bárbaro e traiçoeiro que pôs fim à vida do Rei e do Príncipe Real, quiseram os regicidas impor o regime republicano, o que efectivamente veio a acontecer dois anos mais tarde, com o golpe de 5 de Outubro de 1910 e com a expulsão da Família Real. O recurso à violência, ao assassinato, à perseguição e ao golpe de Estado, sem referendo popular, foram assim os meios de que se serviu a República para chegar ao Poder, contradizendo frontalmente os seus princípios “humanitários” de “Liberdade, Igualdade, Fraternidade”, invocados pelo assassino no seu testamento.
Causou-nos, pois, enorme espanto e suscitou-nos a mais viva indignação constatar que V. Exa. tenha optado por terminar o Jornal das 8 de 21 de Maio com a leitura de excertos do testamento de um dos regicidas – Manuel Buíça. Embora se tenha claramente referido ao crime dele como “homicídio” e “assassínio”, V. Exa. afirmou que “está sempre tudo por dizer em relação ao sonho e à mudança” dando provavelmente aos telespectadores a ideia de que certos meios poderão ser legítimos para atingir determinados fins, tal como teria sido justo, aceitável ou até mesmo heróico e abnegado o uso da violência para impor um regime que tem no seu código genético a ilegitimidade, uma vez que El-Rei Dom Carlos era o Chefe de Estado no exercício do poder, conforme a Constituição vigente.
Para concluir, gostaríamos apenas de lhe recordar as palavras de Francisco Sousa Tavares a propósito do Regicídio: “O sangue tem um preço. O sangue inutilmente derramado por D. Carlos e D. Luís Filipe pesa sobre nós como herança macabra…Vingaremos o sangue de El-Rei D. Carlos no dia em que soubermos, pelos caminhos perdidos da Tradição, reencontrar a alma do povo e a face da Pátria“.
Talvez esse reencontro fosse mais adequado “ao sonho e à mudança” que queremos para Portugal, sem recurso à violência, ao assassinato e à revolução…

Coimbra, 24 de Maio de 2015
José Filipe Sepúlveda da Fonseca
Associação Monárquica Arautos d’El-Rei

O Rei morreu. Vivam os regicidas!“O REI MORREU! VIVAM OS REGICIDAS!”

Estampada numa parede do Mosteiro de S. Vicente de Fora (Lisboa) no dia do Centenário do Regicídio (1-2-2008), esta imagem atesta bem o espírito bolchevista que orientava os republicanos de 1908 e os seus continuadores de hoje. Cumpre recordar que foi na Igreja do Mosteiro de S. Vicente de Fora que naquela data se celebrou a Missa do Centenário por alma de El-Rei D. Carlos e do Príncipe Real D. Luís Filipe.

 

Reportagem de José Alberto Carvalho:

JORNAL DAS 8 – 21 DE MAIO DE 2015, PARTE II (ver desde o minuto 44:18 até ao fim)



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close