Arautos d'El-Rei | “Descolonização exemplar”: a herança “desconhecida” do 25 de Abril
808
post-template-default,single,single-post,postid-808,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive
Soares e Machel

“Descolonização exemplar”: a herança “desconhecida” do 25 de Abril

Sempre que se comemora a revolução marxista de 25 de Abril de 1974, muito se fala, muito se omite e muito se mente sobre a nova era política que ela veio estabelecer no País: uma era de “liberdade e democracia”, rumo ao socialismo, conforme declara a Constituição de 1976. Recorde-se, a propósito, que socialismo é “parente” muito próximo de comunismo e de nacional-socialismo/nazismo e por isso não tardaram a revelarem-se falsas essa “liberdade” e essa “democracia”. A primeira rapidamente se transformou em libertinagem e a segunda rapidamente passou a “democradura”, sendo uma e outra, desde o início, regidas pela mentira, pela censura, pela demagogia, pelo oportunismo e pela corrupção.

Mário Soares foi um dos principais actores da vil e triste “descolonização exemplar”, forjada pelos revolucionários de Abril. A foto mostra o momento em que o líder socialista consuma, em Lusaca (1975), a entrega da Província Ultramarina de Moçambique a Samora Machel, líder do movimento terrorista “FRELIMO”.

O melhor exemplo disso foi aquilo a que os revolucionários de Abril chamaram de “descolonização exemplar”, ou seja, o vergonhoso abandono das nossas Províncias Ultramarinas e a sua entrega traiçoeira aos diversos bandos de guerrilheiros que em pouco tempo estabeleceram o caos, a perseguição, os fuzilamentos, a paralisação da economia, a pobreza extrema e uma guerra civil devastadora (em Angola e Moçambique).
Dessa “descolonização exemplar” ainda hoje vivem entre nós muitas testemunhas. Chamaram-lhes retornados e são eles a prova viva da grande traição de Abril e de uma tragédia humanitária que até hoje continua a ser manhosamente silenciada e censurada, neste regime de alegada “liberdade e democracia”, rumo a um novo comunismo ou nacional-socialismo.
Chamaram-lhes retornados é precisamente o título de um excelente trabalho de Helena Matos, publicado no Observador e cuja leitura recomendamos vivamente. Trata-se de um verdadeiro capítulo da recente História de Portugal, mostrando a traição e a vergonha que foi essa “descolonização”, assim como o drama dos refugiados que vieram do Ultramar. Esta é a herança “desconhecida” do 25 de Abril…



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close