Arautos d'El-Rei | Provocação islâmica na Catedral de Córdova
196
post-template-default,single,single-post,postid-196,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive

Provocação islâmica na Catedral de Córdova

A perseguição contra os cristãos nunca cessou ao longo da História. Pelo contrário, tem-se agravado exponencialmente nos últimos anos, embora os grandes meios de comunicação continuem a ignorá-la ou a desvalorizá-la.

À perseguição legal e social que está a crescer dentro das próprias “democracias” ocidentais (pela eliminação dos crucifixos nas escolas, pela imposição da lei do aborto, etc.) acresce agora a perseguição violenta que leva muitas vítimas ao martírio, especialmente na África e na Ásia. Os perseguidores são geralmente hindus, budistas, ateus, judeus, mas sobretudo muçulmanos e conforme já referiu a Agência FARO, agora vamos ter essa perseguição entre nós, com a cumplicidade dos governos “democráticos” da União Europeia e de importantes sectores ecuménicos do Clero católico.

Assim, por exemplo, ocorreu na Quarta-Feira Santa desta Páscoa (31-3-2010) um grave incidente na Catedral de Córdova (que a ignorância ou má-fé de alguns insiste  em designar como mesquita), provocado de forma organizada por um grupo de cento e dezoito muçulmanos estrangeiros que quiseram ali celebrar um acto de oração maometana. Mesmo depois de avisados pelos guardas da Catedral de que estavam a transgredir, os visitantes insistiram e passaram à agressão física, motivo pelo qual foi necessário chamar a polícia. E mesmo com a actuação desta não foi fácil persuadir o grupo de provocadores a abandonar o local.

Depois do incidente, o Bispado de Córdoba limitou-se a emitir um comunicado brando, no mesmo tom dos comunicados feitos pelos políticos profissionais do regime socialista, condenando a violência e lembrando que afinal também há muçulmanos bons e menos bons…
No entanto, a ofensa à Igreja e aos católicos espanhóis — dentro do seu próprio país — mais uma vez ficou sem reparação, em nome de uma tolerância hipócrita que só reconhece os direitos do agressor islâmico.

Foto: Aspecto do interior da Catedral de Córdova.

Fonte: Agencia Faro – http://carlismo.es/agenciafaro



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close