Arautos d'El-Rei | Poder do Povo – um contra-senso
926
post-template-default,single,single-post,postid-926,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive

Poder do Povo – um contra-senso

“A Democracia declara que o Poder reside na multidão. Formularemos, então, o seguinte dilema: ou a multidão é, ao mesmo tempo, governante e governada (e logo se vê que isto é contra a razão e totalmente impossível na prática) – ou a multidão delega o governo de qualquer maneira, indicando, ela própria, quem deve governá-la. (…)

A Soberania do Povo foi sempre um logro. Soberano – dizem -lhe – por intermédio dos seus delegados. Esses delegados, escolhidos nos centros partidários, não são mais do que agentes de certas facções, cujo fim determinante é o assalto ao Poder. E assim, em nome da soberania popular, tem lugar a mais hipócrita e astuciosa soberania dos partidos.

“Nem admira. O ponto de partida, quimérico e perigoso, havia de produzir estas consequências…
“Logo, a Democracia, baseando-se na atribuição do Poder à multidão, que nunca o chega a exercer de facto – é um contra-senso.”

João Ameal em “Integralismo Lusitano – Estudos Portugueses”, 1932



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close