Arautos d'El-Rei | Ordos, a cidade fantasma produzida pelo comunismo chinês
719
post-template-default,single,single-post,postid-719,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive
Kangbashi

Ordos, a cidade fantasma produzida pelo comunismo chinês

Pequim pretende criar até 2020 uma megalópole  no Delta do Rio Pérola, fundindo nove cidades e ocupando 42.000 km². Essa gigantesca e utópica cidade será maior que a Suíça e terá 45 milhões de habitantes, ou seja, mais de quatro vezes a população de Portugal.
Em tal aglomerado, o indivíduo ficará reduzido a um grão de areia, valor que o comunismo chinês atribui ao ser humano. No entanto, a avaliar pela experiência de Ordos (Nova Kangbashi) [fotos], na fronteira com a Mongólia, é pouco provável que o projecto se concretize. A cidade de Ordos é efectivamente um fracasso enquanto projecto urbano. Já lhe chamaram a Dubai do norte da China, pela sua moderna arquitectura, pela abundância de infra-estruturas públicas e pela sua localização numa área de grandes recursos naturais. No entanto, ninguém quer ir para lá. O governo chinês simplesmente não consegue povoá-la.
Ordos KangbashiConcebida para “apenas” 1 milhão de habitantes, não tem mais do que 28 mil, de acordo com dados fornecidos pelo próprio governo chinês. O espectáculo é desolador: prédios modernos, arranha-céus de apartamentos, edifícios públicos enormes, museus, monumentos, parques, piscinas, extensas e amplas avenidas — tudo ou quase tudo vazio.
Mesmo assim, o governo teima em prosseguir a construção, compelido pela necessidade de investimento. A especulação imobiliária é enorme, estando vendido quase tudo o que se constrói. Porém as habitações estão vazias, a vida é cara, os restaurantes e hotéis não têm clientes,  as lojas e as ruas estão desertas, em suma, a actividade económica é quase inexistente e a desoladora existência da cidade só artificialmente se mantém.

O comunismo chinês nem com dinheiro funciona!



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close