Arautos d'El-Rei | O Parlamento: representação da vontade nacional ou símbolo de irresponsabilidade?…
534
post-template-default,single,single-post,postid-534,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive
Assembleia da República

O Parlamento: representação da vontade nacional ou símbolo de irresponsabilidade?…

Mário Saraiva

O Parlamento!… Mas quem é o Parlamento? É possível pedir a este responsabilidades pela má política que prejudica ou perde um País? Quem há que legalmente lhas possa pedir? Nem uma nem outra interrogação pode ter resposta afirmativa. A responsabilidade só é atribuível a uma pessoa. Exigi-la a uma assembleia que por lei é o único órgão legislativo da soberania, sendo impossível exigi-la individualmente a cada um dos seus membros, é, pelo menos, a maior das ficções.

Sobrada razão tem Charles Maurras para dizer que a República pode usurpar a autoridade à Monarquia, mas a responsabilidade real, essa, esquiva-se sempre a arcar com ela. Repare-se como na República se tem o cuidado de empurrar a ficção de responsabilidade para o seu órgão de mais numerosos elementoso Congressopara que assim, dividida por muitos, nada caiba a cada um.

Na Monarquia não se enjeitam responsabilidades. Existe uma pessoao Reique suporta todo o seu peso. Exactamente porque detém em suas mãos a suprema autoridade, porque é independente nos seus actos, porque possui o poder pessoal que resolve em última instância, é que assume logicamente toda a responsabilidade da sua conduta governamental. Autoridade e responsabilidade crescem em razão directa urna da outra, quando referidas a uma pessoa. Ao máximo poder corresponde a máxima responsabilidade. Mas já não sucede o mesmo em regime republicano. Pode haver nele um excesso de poder, levado até ao despotismo mais ou menos escondido de um partido, mas a responsabilidade fica sempre praticamente reduzida a zero, seja qual for o grau de poder, porque ela recai em última análise no Parlamento, a quem, nem material nem moralmente se pode obrigar a responder por ela. Materialmente iliba-o desse incómodo peso a Constituição intitulando-o único e verdadeiro representante da vontade nacional e não reconhecendo portanto a nenhum órgão ou indivíduo autoridade para o julgar. De resto, não sendo pessoa, não se pode sentar no banco dos réusE não tendo cara, não tem vergonha, sendo por isso também nula a responsabilidade moral. Pode, é certo, aplicar-se-lhe a pena de dissolução. Mas que importa isso se ela não acarreta consigo ao menos a impossibilidade de reeleições futuras para os seus componentes?

Só na Monarquia se localiza a responsabilidade de governo. Observe-se como, mesmo nas monarquias parlamentares, onde o Rei não é responsável pela marcha dos negócios públicos, porque nem governa, nem administra, os republicanos têm por norma alvejá-lo com todas as suas armas de combate em resposta à acção dos ministros ou às deliberações do Parlamento. Por outro lado, observe-se paralelamente conto numa República os monárquicos dirigem os seus ataques, não à pessoa do Presidente, mas quase exclusivamente à orgânica da instituição republicana.

Ora, sabendo-se como toda a acusação de um erro ou de uma falta se aponta ao lugar onde reside a sua responsabilidade, podemos concluir ainda por esta dedução tirada de actos espontâneos, que não existe quem, pelo menos à face da lei, seja responsável pelas acções de um governo em República e que o governo monárquico tem em si tal significado de responsabilidade que até os inimigos da Realeza, em suprema e paradoxal confissão deste principio, são levados a atribuir ao Rei irresponsável de uma monarquia parlamentar toda a responsabilidade dos actos governativos. Eis uma homenagem indirecta da República às virtudes monárquicas e que não é única!

in “Claro Dilema – Monarquia ou República”, Edições Gama, Lisboa, 1944, págs. 63-66. O título, imagem, legendas e destaques gráficos são da responsabilidade da nossa Redacção.

 



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close