Arautos d'El-Rei | Fidel Castro: assassino e ladrão (impenitente) mas amigo do Papa Francisco…
1636
post-template-default,single,single-post,postid-1636,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive

Fidel Castro: assassino e ladrão (impenitente) mas amigo do Papa Francisco…

Fidel Castro: eis o “herói” de toda a Esquerda mundial, desde os comunistas aos  abortistas, feministas e homossexuais, mas também da classe política “global” e de grande parte do Clero “católico”.

Foto: Clarin – Mundo (www.clarin.com)

Vejamos alguns aspectos mal conhecidos do perfil desse assassino e ladrão que nunca manifestou qualquer arrependimento pelos crimes que cometeu mas que, mesmo assim, foi objecto de muito amigável e carinhosa visita do Papa Francisco, em 2015 (foto).

«Fidel Castro era um ladrão. A revista Forbes estimou a sua fortuna em mais de 900 milhões de dólares, situando-o entre os 10 governantes mais ricos do mundo. Tudo graças à escravização e sangramento do povo cubano. Blood Money.

«Fidel Castro era um criminoso em série. Começou por assassinar indiscriminadamente em Sierra Maestra, em 1957, ao iniciar a guerra civil. Durante esse primeiro ano de guerra calcula-se que tenha assassinado cerca de 46 pessoas, ultrapassando as 50 no ano seguinte. A maior parte destas vítimas era de simples camponeses. Eis aqui a sua forma de lutar pelo povo: assassinar o povo. Durante todo o seu reinado de terror calcula-se que assassinou 9000 pessoas, às quais se devem somar mais de 200 desaparecidos e mortos nas suas prisões, tanto por via da tortura como pelas péssimas condições de higiene e de alimentação e ainda por “suicídio”. Além disso, ainda é necessário contar os que em todas estas décadas fugiram de Cuba. Só em 2015, cerca de 44.000 cubanos fugiram do criminoso paraíso castrista. Nem a sua morte pôs fim a todo este terror. O seu irmão encarrega-se de continuar o sanguinário regime. Blood Money.» (*)

Na foto, destacado pelo círculo vermelho, pode ver-se Raul Castro, irmão e grande colaborador de Fidel Castro na disseminação do terror e da repressão. A cena é da época da revolução cubana e documenta o momento em que o actual Presidente de Cuba prepara o fuzilamento de um adversário. A partir de certa altura, as vítimas passaram a ser amordaçadas antes do fuzilamento para não poderem gritar “Viva Cristo-Rei”, encorajando assim os outros a enfrentarem também o martírio.

 

(*) Antonio R. Peña – 28/11/16 – Leia toda a matéria aqui: http://infocatolica.com/?t=opinion&cod=27884



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close