Arautos d'El-Rei | Ausência de princípios e ausência de vergonha: assim se expressou o regime
482
post-template-default,single,single-post,postid-482,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive
Abstenção

Ausência de princípios e ausência de vergonha: assim se expressou o regime

As eleições presidenciais [que elegeram Cavaco Silva], vieram ditar que a Abstenção foi superior a 53% do eleitorado.
Apenas cerca de 40% dos eleitores votaram expressamente nos candidatos à Presidência da República. Uma minoria do eleitorado que ainda acredita ou se resigna ao actual regime.
Inverteu-se totalmente o sentido da democracia… Foi uma minoria que impôs um Presidente a uma maioria que não foi motivada para essa eleição.
A democracia foi rejeitada porque a actual Constituição aceita como válida uma eleição nestas circunstâncias, ou seja, aceitará também uma eleição com muito menores níveis de participaçãoAceita toda e qualquer ditadura.

O perdedor, clama em tom esfusiante a vitória. Ele obteve 23% dos votos e considera-se com suficiente legitimidade para o exercício do seu cargo, como mais alto signatário da Nação.
Espantosa derrota que é vitoriada… Um registo fúnebre que foi entendido como sinal de debilidade e que logo ocasionou, para os que entenderam esta incrível fraqueza, a produzir a desculpa inverosímil.
Anuncia-se num Jornal diário que o número de abstencionistas forçados é da ordem de 1.250.000 eleitores. Ou seja, representa cerca de 13% do eleitorado.
A todos estes, de acordo com o que se diz e não foi desmentido oficialmente, foi negado o direito de votar.
Não se repetem as eleições porque se considera que esse número de direitos sonegados não iria afectar a eleição do vencedor.
É incrível mas é verdade.
Nega-se o resultado oficial, nega-se o desprezo pela maioria dos portugueses, por conveniência de propaganda e simultaneamente valida-se a negação de direitos a muitos outros.
Dois delitos numa só eleição: a negação da democracia e a negação de direitos individuais.
Regime sem princípios e sem vergonha.
Mas um regime é feito por homens e quem aceita ser eleito nestas circunstâncias não merece outra consideração que aquela que o regime deu de si próprio.

 

José J. Lima Monteiro Andrade
27-01-2011



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close