Arautos d'El-Rei | O Centenário da Primeira República
411
post-template-default,single,single-post,postid-411,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive
Perseguição republicana

O Centenário da Primeira República

Na Primeira República a religião católica foi perseguida, o partido monárquico foi proibido, a liberdade de imprensa foi reprimida e os opositores frequentemente assassinados nas ruas.

José A. Vasconcellos e Sá*

Compreende-se o empolgamento de quantos participaram no evento. Já que a Primeira República foi um período de grande “progresso”. Vejamos as principais razões (e com a devida vénia aos historiadores Mata, Valério e Pulido Valente):

Primeiro, no nível de vida: entre 1910 e 1925 o PIB total decresceu 8% e o per capita 12%.

Segundo, a nível de estabilidade política: em 16 anos houve 7 parlamentos, 8 presidentes e 45 governos.

Terceiro, nas liberdades: a religião católica perseguida; o partido monárquico proibido (contudo na monarquia havia um partido republicano…); as redacções de jornais invadidas; e os opositores assassinados nas ruas. Frequentemente.

Quarto, a nível de democracia: os analfabetos não podiam votar; as mulheres tão-pouco; nem os padres. O caderno eleitoral em 1926 tinha menos inscritos que em 1910; e em 1925 votou 4% (!) da população portuguesa, para além, é claro, da institucionalização das fraudes eleitorais.

Quinto, sexto, sétimo e oitavo – a desagregação do Estado (incapaz de manter a segurança, etc.): os sucessivos déficits orçamentais; a galopante dívida externa e o domínio por um único partido (o Democrático), sem qualquer rotatividade.

Compreende-se, assim, que os bisnetos políticos de Afonso Costa celebrem o centenário da 1ª República.

E porque a acção é a maior eloquência (Shakespeare), não quiseram deixar de juntar às comemorações as suas obras na Terceira Repúlbica.

Não só as mais conhecidas: desequilíbrio orçamental; dívida externa incontrolável; desemprego acima dos 10% (e muito maior seria não fora a emigração anual de 2% da população activa e as “acções de formação”) e a inoperância do Estado na protecção do ambiente, na justiça, no ensino, etc.

Como também as realizações menos lembradas: 18 governos e 20 ministros das finanças contra p.ex., cinco governos e cinco ministros das finanças do pós-franquismo em Espanha.

Além, é claro, daquelas frequentemente esquecidas: decréscimo do rendimento per capita real em 10% desde 2004 (tomando em conta o que sai do país sob a forma de juros, etc. e a transferência da economia subterrânea para a formal).

Donde, a consequência da 1ª República foi a ditadura. O resultado da 3ª é o FMI (por duas vezes no passado, em 77 e 83 e outra a breve trecho no futuro).

E tudo isto apesar de a 3ª República estar (e a 1ª não) inserida no espaço económico mais rico (em valor absoluto) do mundo: a UE; apesar de ter uma moeda europeia e de receber anualmente de Bruxelas, em termos líquidos, até 2% do PIB.

Enfim. Compreendem-se assim as celebrações da 1ª República. Bem como a eloquência da acção dos seus herdeiros políticos na terceira.

É que, como diz o povo, “quem sai aos seus não degenera”.

 

in Vida Económica, Nº 1366, 15-10-2010

Blog: www.institutoliberdadeeconomia.blogspot.com

* Mestre Drucker School, PhD Columbia University, Professor Catedrático



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close