Arautos d'El-Rei | Eleições: Portugueses já escolheram o “ladrão”
1646
post-template-default,single,single-post,postid-1646,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive
Costa e Sócrates

Eleições: Portugueses já escolheram o “ladrão”

Metade dos portugueses não votou nas eleições de 6 de Outubro, mostrando claramente o seu descontentamento com esta «democracia» corrompida e viciada, em que os políticos «escolhidos» para governar provêm apenas dos votos da parte que votou, a qual tem sido geralmente metade ou menos de metade da população capacitada para votar. O país tem sido, portanto, sucessivamente governado por grupos partidários que estão muito longe de representar a maioria silenciosa e descontente.

A isto acresce o infinito número dos estúpidos, que teima em acreditar nesta falsa democracia e que nada aprendeu com mais de quatro décadas de má governação, agora transformada em corrupção aberta e num autoritarismo que vai impondo inexoravelmente uma ditadura do pensamento único, em que todos são obrigados a aceitar leis radicalmente opostas aos nossos valores morais, aos nossos costumes e às nossas tradições. Enquanto o socialismo, o comunismo, o ambientalismo, a islamização e todas as investidas da Esquerda vêm sendo rejeitadas na Europa e nas Américas, Portugal continua a rumar na direcção do abismo.

Apesar de terem aparecido nestas eleições algumas razoáveis alternativas que poderiam evitar a fatalidade, os portugueses que não votaram «deixaram passar o ladrão» e os portugueses que votaram escolheram mais uma vez o seu ladrão, conforme diria Voltaire.

Com efeito, nunca é demais recordar aqui  como é que o bem conhecido filósofo revolucionário francês (1694-1778), qualificava os ladrões. Para ele, existiam dois tipos:

– O ladrão comum (ou seja, aquele que rouba o nosso dinheiro, a nossa carteira, os bens da nossa casa, etc.)

– O ladrão político (ou seja, aquele que rouba o nosso futuro, os nossos sonhos, os nossos conhecimentos, os nossos salários, os nossos impostos a nossa educação, a nossa saúde, etc.)

Costa e SócratesA grande diferença entre estes dois tipos de ladrão está no facto de que o ladrão comum é quem nos escolhe para roubar os nossos bens, enquanto o ladrão político somos nós quem o escolhemos para que nos roube.

A outra grande diferença, não menos importante, está no facto de o ladrão comum ser procurado pela polícia, enquanto o ladrão político é geralmente protegido por uma escolta da polícia.

Depois de andarmos há mais de 40 anos a ser roubados por ladrões escolhidos em votação, mais uma vez voltamos a chamá-los para que continuem a roubar-nos e a mentir-nos.

Agora só falta a “bênção” de Roma para o novo Governo… Também virá, isso é certo!



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close