Arautos d'El-Rei | CONCLUSÕES sobre o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa
635
post-template-default,single,single-post,postid-635,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive
António de Albuquerque Emiliano

CONCLUSÕES sobre o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa

Esta é, sem dúvida, uma reforrna ortográfica inexplicável: percorrendo a Nota Explicativa fica-se com a noção de que está tudo por explicar e por justfficar. Fica-se, sobretudo, com a noção da impreparação dos seus autores para lidarem com matérias deste teor.

Os erros técnicos e as gralhas sucedem-se, as imprecisões terminológicas e de formulação abundam, as soluções ortográficas mais controversas carecem de uma sólida argurnentação científica.

A Nota Explicativa do Acordo Ortográfico da Lingua Portuguesa (1990) é, como disse no início, o único documento oficial em gue se fundamenta a reforma ortográfica. Assim sendo, é fundamental notar que, com documento tão desconchavado, tão imperfeito e tão lacunar, nenhum decisor político está ou esteve em condições de apreciar verdadeiramente o teor e as consequências da reforma.

A questão das “avaliações estatísticas” referidas pela Nota Explicativa é particularmente grave: não sendo as mesmas mais do que manipulação grosseira e amadora de dados quantitativos de proveniência dúbia, pretendeu-se dar uma base de cientificidade sem qualquer sustentação a um texto que pouco tem de científico.

É meu parecer profissianal que o texto da Nota Explicativa peca não apenas por conter erros grosseiros de análise linguística e de apreciação da estrutura, natureza e funcionamento de um sisterna ortográfico, mas também por induzir deliberadamente em erro os decisores políticos quanto à verdadeira extensão das mudanças ortográficas propostas.

É também meu parecer profissional que o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990) constitui um atentado grave contra o valor da estabilidade ortográfica nas lusofonias que seguern a norma euro-afro-asiático-oceânica por propor disposições ortográficas insustentáveis e abstrusas, como a consagração de diversos tipos de facultatividades gráficas e a supressão das chamadas consoantes mudas.

António Emiliano

Foto: António Henrique de Albuquerque Emiliano é Professor da Universidade Nova de Lisboa, doutorado — com Distinção e Louvor — em Linguística Portuguesa, matéria na qual é um dos mais eminentes especialistas da actualidade.

 

Fonte: António de Albuquerque Emiliano, “O Fim da Ortografia – Comentário razoado dos fundamentos técnicos do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990)“. Guimarães Editores, Lisboa, 2008, págs. 99-100, ISBN: 978-972-665-527-5

Os destaques a cheio são da responsabilidade da nossa Redacção.

 



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close