Arautos d'El-Rei | Catecismo contra o aborto
687
post-template-default,single,single-post,postid-687,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive
Catecismo contra o aborto

Catecismo contra o aborto

Há 30 anos, quando se falava de aborto, ainda se fazia sentir um frémito de repulsa em quase todos os ambientes. Sobretudo — e a fortiori — nos meios católicos. O tempo passou e com ele começou a manifestar-se uma transfor­mação gradual, mas profunda, em diversos sectores da sociedade, influenciados pela campanha sentimental dos movimentos abortistas.

Transformação gradual, sim, como um gota-a-gota: “Sou totalmente contrário ao aborto, mas em caso de vio­lação…”; e depois: “Jamais abortarei… mas não condeno quem o faça em casos extremos “, e assim por diante. Transformação profunda, pois tangia princípios sagra­dos e perenes, ainda que inadvertidamente.

 

No entanto, chegou o momento em que os movimen­tos abortistas se viram obrigados a mostrar o seu vulto total. As pequenas concessões que — umas vezes decla­radamente, outras vezes não — tentavam fazer passar em vários sectores da sociedade, não tinham senão um objec­tivo: caminhar para a aceitação total do aborto, de todas as formas, em qualquer ocasião.

Ora, alguns, vendo tal sanha, cristalizaram-se, e começaram a perguntar-se: porquê tanta radicalidade? Será mesmo por uma questão de “saúde pública” que eles defendem o aborto? Por outro lado, como explicar a uni­versalidade do movimento abortista? Estarão eles ligados entre si? Como se explica tudo isto?

Estas e outras perguntas passaram a inquietar tam­bém numerosos espíritos. E tal inquietação chega, no mo­mento presente, a um auge. É neste quadro trágico, mas providencial, que se insere esta publicação.

Seja ela um instrumento de luta! Com efeito, se é com idéias falsas e perniciosas que os defensores do aborto ten­tam impor a sua sanha, é também com idéias — apoiadas na Fé, na razão e na ciência que devemos rebatê-los.

Queira a Divina Providência servir-se desta obra para dar a todos os católicos uma convicção profunda das razões pelas quais não se pode, e não se deve, de nenhum modo, aceitar o aborto.

E queira a Mãe da Divina Graça apoiar a todos os que envidarem os seus preciosos esforços para combater esse crime monstruoso, que, de acordo com a doutrina pe­rene da Santa Igreja, “brada aos Céus e clama a Deus por vingança”.

Pe. David Francisquini

(Pároco da Igreja do Imaculado Coração de Maria, Cardoso Moreira, Estado do Rio de Janeiro, Brasil)

Pedidos:
Acção Família
Rua Filipe Terzi, 33, 3º D
3030-014 COIMBRA
Tel: 239 780 486


Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close