Arautos d'El-Rei | A “vietnamização” da América do Sul prevista há quase 40 anos…
1574
post-template-default,single,single-post,postid-1574,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

A “vietnamização” da América do Sul prevista há quase 40 anos…

Após a guerra das Malvinas (Falkland) o Prof. Doutor Plínio Corrêa de Oliveira (*), fez em um dos seus artigos semanais para o jornal “Folha de São Paulo” (24-7-1982) uma análise política cujo alcance poucos deverão ter compreendido na época. Aquela guerra não foi senão uma tentativa de “vietnamizar” a América do Sul. Aparentemente falhou, mas a presente situação da Venezuela confirma agora a impressionante actualidade do que ele escreveu em 1982:

«Com efeito, afirmei, em mais de um pronunciamento pela imprensa diária, que por detrás do incipiente terremoto diplomático-militar em nosso Continente, havia o empenho da Rússia soviética, em promover várias guerras simultâneas, que lançassem ao caos o bloco populacional católico maior do mundo. Pois ela entraria então com seus tendenciosos oferecimentos de ajuda militar e técnica a determinadas nações; por sua vez, os Estados Unidos se veriam compelidos a oferecer ajuda aos países não apoiados pela Rússia. Assim, o conflito se internacionalizaria. E, ao mesmo tempo, assumiria acentuado carácter ideológico. Tanto mais que, no interior dos países em choque, os comunistas e os anticomunistas entrariam em convulsão para disputar o poder. À guerra continental e mundial se somaria, pois, uma revolução ideológica continental. Guerra e revolução se interpenetrariam rapidamente. E o panorama oferecido pela América do Sul em sangue (e digo América do Sul, e não Hispano-América, porque o Brasil de nenhum modo conseguiria manter-se fora dessa sangueira) seria o de um imenso Vietnã. O resto já se vê. […]

«Estou persuadido de que a vietnamização da América do Sul é velho plano do qual de nenhum modo abrirá mão Moscou. E se aparecer no horizonte nova complicação política tendente a nos vietnamizar, o presente artigo tem uma utilidade como que notarial, tabelioa. Pois me servirá de prova de que, por detrás dessa nova complicação, desde o início estivera Moscou.»

(Plinio Corrêa de Oliveira: “Garantia notarial, tabelioa…” – artigo para a “Folha de São Paulo” (S.Paulo, Brasil), publicado em 24-7-1982)

Sobre a actual situação económica e social da Venezuela e sobre os estragos que o Socialismo internacional tem causado nesse país, veja também este vídeo.

(*) Plinio Corrêa de Oliveira (1908-1995) era Professor Catedrático de História Moderna na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Brasil) e Presidente do Conselho Nacional da Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade – TFP.

 



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close