Arautos d'El-Rei | A grandeza e a unidade de Portugal nos tempos do Império Ultramarino
639
post-template-default,single,single-post,postid-639,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive

A grandeza e a unidade de Portugal nos tempos do Império Ultramarino

Nos tempos do Império Ultramarino, que durou até 1974, Portugal estava distribuído pelos 5 Continentes e tinha cidadãos de todas as raças. No entanto, os seus sentimentos de fraternidade e de união na Fé e no serviço da Pátria, eram incomparavelmente mais fortes do que hoje, como atesta o episódio narrado a seguir:

Mártires portugueses do Japão

“Num dia do século XVII, Macau envia uma embaixada ao Imperador do Japão.

“Para trás, desde os finais do século XVI, o Japão matara e crucifIcara os católicos portugueses e japoneses. Desde 1597 até 1640, data da embaixada de que estamos a falar, foram massacrados milhares e milhares de católicos. Mortos por amor à Cruz de Cristo. Em 1640 acreditou-se que a vingança cega dos japoneses e dos holandeses que os incitavam tinha passado. Envia-se uma embaixada formada por 69 membros, todos se dizendo portugueses, mas todos de raças diferentes. Havia portugueses de Trás-os-Montes, de Macau, negros de Tete, chineses de Macau, da China e malaios. Raças irmanadas por dois enormes amores, a Cristo e ao Rei. Raças que, numa grande ânsia de amar, acreditavam que o mito glorioso do amor os podia remir dos pecados e fazer com que o Japão e Portugal se pudessem amar e não matar. Assim pensavam os embaixadores. Triste, mas heróico, foi o resultado.

“Recebida a embaixada, os Japoneses pretenderam dividi-la, propondo que não morreria todo aquele que renunciasse ao amor a Cristo. Estranha foi a resposta. Negros, amarelos, mulatos, brancos, todos se uniram numa resposta comum. Preferiam morrer por Cristo e pelo Rei do que viver na desonra e no desamor da memória dos companheiros. Dos 69, foram poupados 12 que voltaram a Macau. 57 morreram unidos. Morreram unidos num amor que desconheceu raças, pátrias, nações, tribos. Morreram, amando-se no abraço fatal da morte. Nenhum negou a sua origem básica de português e de cidadão do Impérlo Ecuménico de Cristo. Não houve, nem haverá, maior exemplo. Morreram homens de raças completamente diferentes, por amarem uma ideia abstracta, cultural, foi o que fez a unidade criada pelo Império Mítico e Ecuménico.”

Augusto Pereira Brandão, “A Aventura Portuguesa”, Verbo, 1991, págs. 111-112




Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close