Arautos d'El-Rei | A aprovação do Projecto-Lei do PS para co-adopção de crianças por pseudo-casais homossexuais com a conivência táctica de alguns deputados da maioria parlamentar PSD – CDS/PP
665
post-template-default,single,single-post,postid-665,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive
Assembleia da República

A aprovação do Projecto-Lei do PS para co-adopção de crianças por pseudo-casais homossexuais com a conivência táctica de alguns deputados da maioria parlamentar PSD – CDS/PP

No passado dia 17 de Maio de 2013, o Parlamento aprovou na generalidade um projecto-lei do Partido Socialista que prevê a co-adopção de crianças por pseudo-casais homossexuais.
Caso este projecto-lei venha a ser aprovado na votação final global, passará a ser possível a uma das partes de uma união homossexual co-adoptar o filho biológico ou adoptivo da pessoa com quem vive.

O projecto-lei foi aprovado com 99 votos a favor, 94 contra e 9 abstenções.
Mais uma vez, à semelhança do que aconteceu com a aprovação da lei do pseudo-casamento homossexual, em Janeiro de 2010, também o tema da co-adopção de crianças por homossexuais não foi debatido na sociedade portuguesa.

Ou seja, para além de não ter havido um amplo debate na sociedade portuguesa sobre o assunto, o debate Parlamentar sobre esta matéria foi praticamente inexistente.

Não obstante tal facto, é desconcertante verificar que a abstenção de três deputados do CDS-PP, a saber João Rebelo, Teresa Caeiro e Michael Seufert tenha contribuído para a aprovação do referido projecto-lei.

É oportuno salientar que este projecto-lei se insere numa campanha ideológica que tem vindo a ser levada a cabo de há alguns anos a esta parte pelo lóbi gay, coadjuvado por toda a esquerda, visando a dissolução da instituição familiar tradicional. Nessa campanha ideológica incluem-se as leis do aborto e do pseudo-casamento entre homossexuais aprovadas anteriormente e o recente projecto-lei da co-adopção de crianças por homossexuais que a esquerda conseguiu ver aprovado com a conivência tácita de alguns deputados da maioria PSD-CDS-PP.

Faço minhas as palavras do conselheiro nacional do CDS-PP, Filipe Anacoreta Correia que, sobre esta matéria, afirmava anteontem ao Diário Económico “Continua o partido sem uma posição clara sobre que matérias devem ser objecto de disciplina de voto”.

Ou seja, a atitude daqueles três deputados do CDS-PP constituiu “uma agressão ao eleitorado natural do CDS-PP”.

E as consequências da abstenção destes três deputados centristas já estão a fazer sentir-se.
Para quem acompanha regularmente as redes sociais e a blogosfera, ter-se-á apercebido nos últimos dias que uma tal atitude já provocou incómodos não só na base natural de apoio do Partido, mas também nalgum eleitorado natural do CDS-PP que votou no CDS, entre outros motivos, convicto de que o CDS, uma vez no Governo, se iria bater pela revogação das leis contra a Família.

Ora, o eleitorado natural do CDS-PP que é um eleitorado conservador, não aceita e nunca irá aceitar que um partido com uma matriz Democrata-Cristã possa de alguma forma contribuir, através da abstenção de alguns dos seus deputados, para que leis anti-Família sejam aprovadas no Parlamento.

E esse eleitorado conservador que é o único eleitorado que poderá fazer aumentar de forma expressiva a votação no CDS, só se revê num CDS que, relativamente à agenda dos costumes, assuma posições firmes e inequívocas.


José Filipe Sepúlveda da Fonseca

Crónica Semanal para a Rádio Universidade FM de Vila Real, 23-5-2013



Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close