Arautos d'El-Rei | António Costa, calculista sem escrúpulos
1409
post-template-default,single,single-post,postid-1409,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

António Costa, calculista sem escrúpulos

Os trágicos incêndios, de proporções dantescas, ocorridos no passado fim de semana, certamente não deixaram ninguém indiferente às mais de quatro dezenas de vítimas mortais e aos cerca de 80 feridos, muitos deles em estado grave.

Entre os incêndios de Pedrógão Grande de 17 de Junho e os do passado fim de semana, perderam a vida mais de uma centena de pessoas indefesas face à total ausência das estruturas do Estado que, na hora das tragédias, não estavam presentes para garantir a segurança e a vida dessas pessoas.

A reacção de António Costa ao recusar assumir responsabilidades e pedir desculpa pelas vítimas mortais provocou uma enorme onda de indignação entre os portugueses. A arrogância do secretário-geral do PS e actual primeiro-ministro que pensa estar acima de qualquer escrutínio e não ter de prestar contas a ninguém atingiu os limites do admissível.

António Costa, mais preocupado com os calculismos políticos e com as maquinações que terá de fazer para ir-se perpetuando no poder e incapaz de assumir as suas responsabilidades como Chefe do Governo perante esta tragédia, tal como lhe competia, desrespeitou deliberadamente não só as famílias das vítimas mas todos os portugueses.

Face à total desresponsabilização de António Costa, foi o Chefe de Estado que garantiu no seu discurso de terça-feira passada a autoridade e a respeitabilidade do Estado.

No artigo de opinião no jornal Sol – “António Costa está ferido de morte (e Marcelo sabe-o)”, João Lemos Esteves comentou o alcance político do discurso do Presidente da República.

Afirmava ele: «Se não fosse o Presidente da República, assistiríamos a uma quebra, muito provavelmente, irrecuperável da confiança entre o Estado português e os cidadãos. Todos, quer sejam militantes do PS, do PSD, do CDS, do PCP, do Bloco de Esquerda ou de qualquer outro partido – a incompetência e a falta de sentido de Estado de António Costa chocaram qualquer cidadão que não seja sectário ou dependente funcionalmente do líder do Primeiro-Ministro.

«Para nós, o que sucedeu não foi surpresa alguma: António Costa já cometeu actos muito graves, de incompetência atroz, desde que assumiu funções como Primeiro-Ministro.
No entanto, a protecção de que tem gozado – fruto de ter a extrema-esquerda na sua mão, bem como dos seus vastos conhecimentos na comunicação social – levou António Costa a julgar que estaria sempre acima de qualquer fatalidade.
(…)
«Como poderemos ficar surpreendidos com a arrogância de António Costa hoje – quando foi este mesmo António Costa que, após as mortes de Pedrógão Grande, foi de férias para Palma de Maiorca?
«Como poderemos ficar chocados com a frieza, a insensibilidade humana de António Costa – quando foi este mesmo António Costa que, após as mortes de Pedrógão Grande, a sua primeira iniciativa foi realizar um “focus group” para testar a sua popularidade e do seu Governo?

«Espera-se que a complacência com este Governo acabe de vez: quando a comunidade se demite de escrutinar o executivo, como tem sucedido relativamente à geringonça, a sobranceria e a arrogância do Primeiro-Ministro começam a ultrapassar os limites humanamente admissíveis

José Filipe Sepúlveda da Fonseca

(Crónica Semanal para a Rádio Universidade FM de Vila Real, 19-10-2017)