Arautos d'El-Rei | A farsa da soberania popular
872
post-template-default,single,single-post,postid-872,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
A farsa da soberania popular

A farsa da soberania popular

“A Democracia declara que o Poder reside na multidão. Formularemos, então, o seguinte dilema: ou a multidão é, ao mesmo tempo, governante e governada (e logo se vê que isto é contra a razão e totalmente impossível na prática) – ou a multidão delega o governo de qualquer maneira, indicando, ela própria, quem deve governá-la.

Mas, nesta segunda solução, encontra-se já a condenação da Democracia. A Democracia pura passa a não existir. O seu primeiro gesto é renegar-se a si mesma. Já não é a multidão, o povo, quem governa. «Nesse momento, pois, a soberania, deslocada do eleitorado para os seus representantes, sem possibilidade de uma fiscalização eficaz por parte daquele no seu modo de exercício, será assim, já não a vontade do povo – mas apenas a de uma aristocracia casual e momentaneamente constituída» – demonstrou, muito bem, o Professor da Universidade de Coimbra, Doutor Luís Cabral de Moncada.

A Soberania do Povo foi sempre um logro. Soberano – dizem-lhe – por intermédio dos seus delegados. Esses delegados, escolhidos nos centros partidários, não são mais do que agentes de certas facções, cujo fim determinante é o assalto ao Poder. E assim, em nome da soberania popular, tem lugar a mais hipócrita e astuciosa soberania dos partidos. Nem admira. O ponto de partida, quimérico e perigoso, havia de produzir estas consequências…
Logo, a Democracia, baseando-se na atribuição do Poder à multidão, que nunca o chega a exercer de facto – é um contra-senso.”

João Ameal em «Integralismo Lusitano – Estudos Portugueses»

Publicado por Guilherme Koehler em A BANDEIRA BRANCA (Facebook)