Arautos d'El-Rei | Portugueses, portugueses, portugueses…
817
post-template-default,single,single-post,postid-817,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição de Ormuz

Portugueses, portugueses, portugueses…

Um famoso cabo de guerra francês, o Marechal Louis Hubert Liautey (1854-1934), não escondia o profundo respeito e admiração que tinha pela obra lusíada no mundo. Obra que teve a oportunidade de conhecer bem nos mais diversos pontos do globo.Certo dia escreveu, dirigindo-se aos portugueses: “Sois os verdadeiros pioneiros, os pioneiros mais antigos da civilização europeia“. E ainda acrescentou noutra ocasião: “Em todas as partes do mundo por onde andei, ao ver uma ponte, perguntei quem a tinha feito. Respondiam: os portugueses. Ao ver uma estrada fazia a mesma pergunta e respondiam: os portugueses. Ao ver uma igreja, uma fortaleza, sempre a mesma resposta: portugueses, portugueses, portugueses… Desejava, pois, que da acção francesa em Marrocos, daqui a séculos, fosse possível dizer o mesmo“.

A Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição de Ormuz (foto) é uma impressionante confirmação das palavras do Marechal Liautey. À porta do Golfo Pérsico, em local que ainda hoje é de excepcional importância estratégica, a sua construção (iniciada em 1507) foi uma obra prodigiosa sob todos os pontos de vista — militar, humano, arquitectónico, logístico, etc. — conservando-se sob o domínio português durante mais de um século.
A conquista de Ormuz e a subsequente construção da Fortaleza só foram possíveis graças à coragem, ousadia e inteligência de um dos mais insignes chefes militares portugueses: Afonso de Albuquerque (1453-1515).