Arautos d'El-Rei | Catecismo contra o aborto
687
post-template-default,single,single-post,postid-687,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
Catecismo contra o aborto

Catecismo contra o aborto

Há 30 anos, quando se falava de aborto, ainda se fazia sentir um frémito de repulsa em quase todos os ambientes. Sobretudo — e a fortiori — nos meios católicos. O tempo passou e com ele começou a manifestar-se uma transfor­mação gradual, mas profunda, em diversos sectores da sociedade, influenciados pela campanha sentimental dos movimentos abortistas.

Transformação gradual, sim, como um gota-a-gota: “Sou totalmente contrário ao aborto, mas em caso de vio­lação…”; e depois: “Jamais abortarei… mas não condeno quem o faça em casos extremos “, e assim por diante. Transformação profunda, pois tangia princípios sagra­dos e perenes, ainda que inadvertidamente.

 

No entanto, chegou o momento em que os movimen­tos abortistas se viram obrigados a mostrar o seu vulto total. As pequenas concessões que — umas vezes decla­radamente, outras vezes não — tentavam fazer passar em vários sectores da sociedade, não tinham senão um objec­tivo: caminhar para a aceitação total do aborto, de todas as formas, em qualquer ocasião.

Ora, alguns, vendo tal sanha, cristalizaram-se, e começaram a perguntar-se: porquê tanta radicalidade? Será mesmo por uma questão de “saúde pública” que eles defendem o aborto? Por outro lado, como explicar a uni­versalidade do movimento abortista? Estarão eles ligados entre si? Como se explica tudo isto?

Estas e outras perguntas passaram a inquietar tam­bém numerosos espíritos. E tal inquietação chega, no mo­mento presente, a um auge. É neste quadro trágico, mas providencial, que se insere esta publicação.

Seja ela um instrumento de luta! Com efeito, se é com idéias falsas e perniciosas que os defensores do aborto ten­tam impor a sua sanha, é também com idéias — apoiadas na Fé, na razão e na ciência que devemos rebatê-los.

Queira a Divina Providência servir-se desta obra para dar a todos os católicos uma convicção profunda das razões pelas quais não se pode, e não se deve, de nenhum modo, aceitar o aborto.

E queira a Mãe da Divina Graça apoiar a todos os que envidarem os seus preciosos esforços para combater esse crime monstruoso, que, de acordo com a doutrina pe­rene da Santa Igreja, “brada aos Céus e clama a Deus por vingança”.

Pe. David Francisquini

(Pároco da Igreja do Imaculado Coração de Maria, Cardoso Moreira, Estado do Rio de Janeiro, Brasil)

Pedidos:
Acção Família
Rua Filipe Terzi, 33, 3º D
3030-014 COIMBRA
Tel: 239 780 486