Arautos d'El-Rei | O esquecimento dos ideais…
649
post-template-default,single,single-post,postid-649,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

O esquecimento dos ideais…

“Quando uma nação começa a manifestar maior interesse pelos conflitos de opiniões do que pela permanência dos princípios, é porque soou para ela a hora de fazer exame de consciência.
“Quando a virtude e o vício, o patriotismo e a traição, a pureza e a podridão descem a uma pista de circo, em torno da qual os espectadores apenas se interessam pelo espectáculo de os verem a esmurrar-se mutuamente, chegou o momento de se deplorar que nada reste já de tão sagrado que valha a pena morrer-se em sua defesa, e nada de tão vil que se deva combater com todo o ardor.
” Quais são os factores psicológicos e espirituais capazes de provocar em qualquer país semelhante situação? Bastará talvez mencionar dois: o esquecimento dos ideais, dos fins a atingir e dos autênticos valores e, como resultante desta primeira causa, a vacuidade e a solidão das almas.”

Fulton Sheen, “Os Problemas da Vida”, Livraria Figueirinhas, Porto, 1956, 2ª Edição, Cap.V, pág.23.