Arautos d'El-Rei | 5 de Outubro republicano: fica mal comemorar uma coisa que começou com o assassinato do Chefe de Estado
637
post-template-default,single,single-post,postid-637,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
António José de Almeida

5 de Outubro republicano: fica mal comemorar uma coisa que começou com o assassinato do Chefe de Estado

«O regime democrático era mais democrático antes de1910. Um dos primeiros PR, que, antes de o ser, tinha a liberdade de chamar “ladrão” e coisas piores ao Rei, foi dos que decretou prisão para quem escrevesse uma linha contra o próprio depois de eleito. Ainda sobre democracia, lembremos que a assembleia eleita em 1911 tinha composição totalitária: 97% dos lugares eram do Partido Republicano. O novo sistema também deu instabilidade. Façamos contas: de 1910 a 1925 tivemos quase 50 primeiros-ministros, mais do que no resto da epopeia lusitana.

«Uma das consequências foi o rendimento per capita dos portugueses em 1920 ser metade do que era em 1860. Estava até abaixo dos valores de 1790! Outra mostra da fraqueza republicana foi o arrastamento para a Guerra Mundial, que nos trouxe acima de 8.000 mortos e de 13.000 feridos, isto é, mais funerais e feridos do que 15 anos de guerra ultramarina haveriam de fazer. Mais triste dos factos: graças ao exotismo republicano, i.e, instabilidade governatva e bancarrota das finanças públicas, Portugal haveria de seguir para meio século de ditadura. Portanto, da próxima vez, a celebrar o 5/10, celebremos antes a Conferência de Zamora de 1143 (deu independência a Portugal) ou, se quer rir com a república, o aniversário da primeira transmissão dos Monty Python na televisão.»

Sérgio H. Coimbra, in “Meia-Hora” (Editorial), 6-10-2008

Foto: Para manter os republicanos no Poder, António José de Almeida, 6º Presidente da República, era um defensor da ditadura, da supressão das liberdades e da perseguição religiosa.