Arautos d'El-Rei | CONCLUSÕES sobre o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa
635
post-template-default,single,single-post,postid-635,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
António de Albuquerque Emiliano

CONCLUSÕES sobre o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa

Esta é, sem dúvida, uma reforrna ortográfica inexplicável: percorrendo a Nota Explicativa fica-se com a noção de que está tudo por explicar e por justfficar. Fica-se, sobretudo, com a noção da impreparação dos seus autores para lidarem com matérias deste teor.

Os erros técnicos e as gralhas sucedem-se, as imprecisões terminológicas e de formulação abundam, as soluções ortográficas mais controversas carecem de uma sólida argurnentação científica.

A Nota Explicativa do Acordo Ortográfico da Lingua Portuguesa (1990) é, como disse no início, o único documento oficial em gue se fundamenta a reforma ortográfica. Assim sendo, é fundamental notar que, com documento tão desconchavado, tão imperfeito e tão lacunar, nenhum decisor político está ou esteve em condições de apreciar verdadeiramente o teor e as consequências da reforma.

A questão das “avaliações estatísticas” referidas pela Nota Explicativa é particularmente grave: não sendo as mesmas mais do que manipulação grosseira e amadora de dados quantitativos de proveniência dúbia, pretendeu-se dar uma base de cientificidade sem qualquer sustentação a um texto que pouco tem de científico.

É meu parecer profissianal que o texto da Nota Explicativa peca não apenas por conter erros grosseiros de análise linguística e de apreciação da estrutura, natureza e funcionamento de um sisterna ortográfico, mas também por induzir deliberadamente em erro os decisores políticos quanto à verdadeira extensão das mudanças ortográficas propostas.

É também meu parecer profissional que o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990) constitui um atentado grave contra o valor da estabilidade ortográfica nas lusofonias que seguern a norma euro-afro-asiático-oceânica por propor disposições ortográficas insustentáveis e abstrusas, como a consagração de diversos tipos de facultatividades gráficas e a supressão das chamadas consoantes mudas.

António Emiliano

Foto: António Henrique de Albuquerque Emiliano é Professor da Universidade Nova de Lisboa, doutorado — com Distinção e Louvor — em Linguística Portuguesa, matéria na qual é um dos mais eminentes especialistas da actualidade.

 

Fonte: António de Albuquerque Emiliano, “O Fim da Ortografia – Comentário razoado dos fundamentos técnicos do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990)“. Guimarães Editores, Lisboa, 2008, págs. 99-100, ISBN: 978-972-665-527-5

Os destaques a cheio são da responsabilidade da nossa Redacção.