Arautos d'El-Rei | Acordo Ortográfico: herança “socratiana”
607
post-template-default,single,single-post,postid-607,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Acordo Ortográfico: herança “socratiana”

Aplicação do Acordo Ortográfico deve ser suspensa em Portugal,
defendem
Deputados do PSD/Açores na Assembleia da República.

Num documento remetido ao ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, os deputados  Mota  Amaral,  Joaquim  Ponte  e  Lídia  Bulcão  referem  que  “agora  que  a aplicação  do  Acordo  Ortográfico  se  tornou  obrigatória  nos  documentos  oficiais,  vai surgindo com evidência o empobrecimento da língua portuguesa dele decorrente, o que causa profundo desgosto a muitos dos nossos concidadãos na Região Autónoma dos Açores”.
Os parlamentares referem que o Acordo Ortográfico é mais uma herança “socratiana” cuja entrada em vigor foi “apressada” sem que existam razões para que tal aconteça.

Foi apressada a entrada em vigor do acordo, apesar de a maior parte dos países em que o português é a língua oficial não ter dado mostras de querer aplicar regras tão insanas e ainda por cima confusas“, refere o documento.
Para  além  de  pretenderem saber  quais  as  vantagens da  aplicação do  novo  Acordo Ortográfico, os deputados açorianos questionam o ministério de Paulo Portas se pretende ou não suspender a sua aplicação em território nacional. Perguntam se a aplicação da nova ortografia surge apenas para satisfazer a vontade do Brasil ou se tal resulta em algum benefício para Portugal no que se refere ao acesso ao mercado editorial daquele país por parte dos autores nacionais.

 

Fonte: Diário Insular, 28-01-2012 (Os destaques gráficos são da nossa Redacção)