Arautos d'El-Rei | 1º de Dezembro de 1640 – Uma página marcante da nossa História
595
post-template-default,single,single-post,postid-595,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
DomJoaoIV

1º de Dezembro de 1640 – Uma página marcante da nossa História

Na manhã de 1 de Dezembro de 1640, que alguém qualificou para sempre como manhã “pura e alegre”, um punhado de portugueses – grande parte deles pertencente à Nobreza – restaurou a nossa Coroa e a nossa Independência na pessoa de D. João, 8º Duque de Bragança.
Antepondo o bem de Portugal aos riscos pessoais, o Duque de Bragança decidira aceitar a coroa. Os “conjurados”, apesar de pouco numerosos, estavam determinados e confiantes em Deus para enfrentar com altivez as incógnitas e os perigos que diante deles se erguiam, escrevendo dessa forma e para sempre uma página marcante da nossa História.

Assim ressurgia Portugal. Era a Restauração. Era o anseio de um povo que se realizava na determinação corajosa de algumas dezenas de fidalgos. Em poucos dias, D. João IV empunhava o ceptro assegurado em Aljubarrota e Portugal retomava as vias históricas da sua nacionalidade.
Com efeito, o 1º de Dezembro de 1640 foi muito mais do que um golpe audacioso e bem sucedido que devolveu a Independência a Portugal. Foi um gigantesco esforço moral, militar e económico, marcado por uma guerra defensiva que durou 28 anos e que se estendeu às nossas frentes ultramarinas, nomeadamente ao Brasil e a Angola. Foi um êxito que nunca teria sido possível sem a união de todos os portugueses em torno do projecto da reconstrução do País. É por isso que tal data merece ser sempre assinalada como Feriado Nacional!

José Filipe Sepúlveda da Fonseca

Foto: Estátua equestre de El-Rei Dom João IV, em Vila Viçosa.