Arautos d'El-Rei | Perseguição ao Catolicismo no país da liberdade e da democracia
585
post-template-default,single,single-post,postid-585,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
Obama & Hitler

Perseguição ao Catolicismo no país da liberdade e da democracia

A Administração Obama é a mais anti-católica da história dos Estados Unidos

Num artigo da autoria de Ken Blackwell, colunista do New York Sun, a Administração do Presidente Barack Hussein Obama é apontada como a mais anti-católica da história dos Estados Unidos. Esta denúncia, publicada no Catholic Education Resource Center,  vem no seguimento de uma recente tentativa de Kathleen Sebelius, secretária de  Obama, no sentido de forçar a Universidade Franciscana de Steubenville (Ohio) a distribuir fármacos anticoncepcionais e a subsidiar esterilizações.

Esta tentativa de subjugar a Universidade Franciscana de Steubenville não é desgraçadamente um exemplo isolado. Desde os seus primeiros dias que a Administração Obama vem praticando uma kulturkampf (choque cultural) contra as instituições católicas, de uma forma nunca vista desde os tempos de Otto von Bismarck, o Chanceler de Ferro da Alemanha. Bismarck tentou efectivamente colocar todas as igrejas e universidades da Prússia sob a sua bota de ferro”, recorda Ken Blackwell.

Atentados contra a vida, tais como a distribuição de anticoncepcionais e o financiamento de esterilizações são actos estritamente proibidos pela fé católica. “Jamais foi obrigatório para milhões de americanos subsidiar com os seus impostos a matança de crianças por nascer, como acontece agora sob a Administração Obama“, acrescenta Blackwell. E como se isso não bastasse, o governo norte-americano está igualmente “a forçar as instituições católicas a participar na destruição de vidas humanas inocentes, compelindo-as a pagar pelas práticas abortivas e esterilizadoras“.

Entusiasticamente eleito por uma bem articulada e demagógica campanha eleitoral – tal como a que elevou o ditador Adolfo Hitler ao poder – o controverso presidente Barack Hussein Obama vai gradualmente revelando as suas intenções “democráticas”…