Arautos d'El-Rei | NÃO ao Acordo Ortográfico
343
post-template-default,single,single-post,postid-343,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

NÃO ao Acordo Ortográfico

________________________ 

Um atentado contra o nosso património, o nosso povo e o nosso desenvolvimento

“A consolidação das nossas fronteiras políticas levou cerca de 100 anos ou quatro gerações (do Fundador a El-Rei Dom Afonso III, seu bisneto), mas o desenvolvimento e a consolidação de uma ortografia entre nós levou cerca de 700 anos (ou seja, mais de 20 gerações) desde o início do século XIII até finais do século XIX e inícios do século XX.

A presente reforma ortográfica, com as suas facultatividades, abstrusidades e barbaridades, significa nem mais nem menos do que a morte do conceito de ortografia em Portugal, o fim de uma norma gráfica estável, a abolição de noções claras de correcção. […]
“O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 é objectivamente um atentado contra o nosso património, o nosso povo e o nosso desenvolvimento.”

Fonte: António Emiliano, “Apologia do Desacordo Ortográfico – Textos de intervenção em defesa da Língua Portuguesa contra o Acordo Ortográfico de 1990”, Verbo, 2010, pág.38.