Arautos d'El-Rei | A verdade moral
290
post-template-default,single,single-post,postid-290,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

A verdade moral

___________________________

BENTO XVI, SOBRE A VERDADE MORAL

(…) promover a verdade moral significa agir de maneira responsável, partindo do conhecimento dos factos. …
Uma segunda via para promover a verdade moral consiste em desmascarar as ideologias políticas que pretendem suplantar a verdade. As trágicas experiências vividas durante o século XX evidenciaram a desumanidade que resulta da supressão da verdade e da dignidade humana. Hoje, vemos diversas tentativas de fomentar supostos valores sob o pretexto de paz, desenvolvimento e direitos humanos
.

Neste sentido, abordando a Assembleia Geral das Nações Unidas, chamei a atenção sobre uma determinada tendência a reinterpretar a Declaração Universal dos Direitos Humanos com o objectivo de satisfazer interesses particulares, que comprometeriam a coerência interna da própria Declaração, afastando-se da sua intenção original
“Em terceiro lugar, a promoção da verdade moral na vida pública requer um esforço constante para fundamentar a lei positiva sobre os princípios éticos da lei natural. O recurso a ela, no passado, foi considerado de per si evidente; contudo, a corrente positivista nas teorias legais contemporâneas requer a reafirmação deste importante axioma. Indivíduos, comunidades e Estados, sem a guia de verdades morais e objectivas, voltariam a ser egoístas e sem escrúpulos, e o mundo seria um lugar mais perigoso para se viver.”
Bento XVI – Discurso às autoridades civis e ao corpo diplomático, em Chipre