Arautos d'El-Rei | A crise política nacional
240
post-template-default,single,single-post,postid-240,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,vss_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

A crise política nacional

COMUNICADO DA ACÇÃO MONÁRQUICA

Os actuais partidos dominantes do regime republicano estão a condenar Portugal a uma gravíssima situação de adiamento de soluções inevitáveis que só podem vir a ocasionar no futuro próximo uma revolta generalizada de consequências imprevisíveis.

    A actual crise financeira nacional, exigiria uma postura exemplar do Governo e Administração Pública de contenção do despesismo do Estado.
    O Programa de Estabilidade e Crescimento é uma primeira exigência de sacrifícios aos portugueses que afecta particularmente a classe média. Os primeiros sacrifícios pedem-se a quem tem menos responsabilidades pela situação de uma inaceitável dívida pública e pelo deficit das contas do Estado.
    O Estado não dá qualquer sinal de contenção do seu sentido despesista. Persiste-se na política das grandes obras públicas, particularmente em algumas de muito duvidoso interesse nacional e com efeitos muito limitados no desenvolvimento económico e na dinamização do mercado laboral. Em particular o TGV Lisboa-Madrid, novas auto-estradas e novas pontes de travessia do Tejo.

    O déficit das contas públicas só poderá ser alcançado com a redução drástica da despesa corrente do Estado, mas o Governo e a Oposição insistem em manter uma Administração Pública plena de desperdício e inoperacionalidade, com inúmeros apêndices de Fundações, Comissões e Organismos, cujo principal objectivo é o de manter clientelas partidárias bem remuneradas e toda uma rede de influência e promiscuidade entre a sociedade empresarial e o Estado.
    O Estado está assim apenas a adiar soluções e a transmitir a toda a população um sentimento de revolta muito perigoso.
    Nenhum dos graves problemas nacionais é encarado com seriedade e com uma postura de racionalidade pelos actuais partidos que sustentam o regime e o sistema político.
    – Não é encarada com rigor a contenção da dívida pública. Prossegue-se a ilusão de viver acima das possibilidades, gastando muito mais do que se produz.
    – Não é encarada com rigor a contenção da dívida nacional geral.
    – Não existe uma política consistente de contenção do déficit das contas e sobretudo de contenção da despesa corrente do Estado.
    – Não são encarados os bloqueios ao desenvolvimento económico… Justiça; Educação e Competitividade.
    Os actuais partidos dominantes do regime republicano estão assim a condenar Portugal a uma gravíssima situação de adiamento de soluções inevitáveis que só podem vir a ocasionar no futuro próximo uma revolta generalizada de consequências imprevisíveis.
    A total dependência nacional perante o euro, associada a esta incapacidade de encarar com rigor a realidade, só pode vir a ocasionar a “ditadura da matemática”, ou seja, a imposição tardia de medidas radicais, impostas pela exigência do rigor das contas públicas e por medidas políticas de neutralização do descontentamento e revolta da população a quem foi sonegada a verdade.
    Impõe-se assim este alerta público face à gravidade da situação e a reivindicação das responsabilidades deste regime e deste sistema político, que através da dominância de atitudes de provincianismo e de benefícios de mordomias dos seus políticos, estão a destruir todo um sonho dos portugueses e a assassinar a democracia.
Portugal recuperará o seu sentido histórico e encontrará de novo o seu projecto de futuro, pela libertação dos portugueses.
    Quando voltarem a ser os portugueses a assumir o poder de decisão em Portugal.
    Quando os portugueses voltarem a ter a liberdade de governar o seu país.

Comissão Coordenadora da Acção Monárquica

Fotos: O TGV Lisboa-Madrid, as novas auto-estradas e novas pontes de travessia do Tejo são obras de custos avultadíssimos e incompatíveis com o estado ruinoso da economia nacional. Por que será que o Governo Socialista teima em empreendê-las?…